As alunas da Escola Comunitária 1º de Maio, no bairro de Khongolote, no município da Matola, em Maputo, continuam a viver momentos de pânico por causa da onda de desmaios que se verifica naquele estabelecimento de ensino.

Ontem, a nossa fonte assistiu mais um episódio no qual mais três alunas entraram em transe e no final mesmo uma das vítimas desmaiou! Entretanto, a direcção da escola tentou desdramatizar o assunto, dando a entender que estava tudo bem. Inversamente às declarações da direcção, instantes depois das mesmas terem sido feitas, eis que duas alunas caem e entram em transe.

O problema foi despoletado semana passada quando reportou-se o caso. Na altura, dizia-se que 21 alunas já haviam desmaiado naquela escola, sem nenhuma explicação clara sobre assunto.

Higino Levi, responsável da escola, diz que os desmaios não têm nada que ver com a escola.

De acordo com o mesmo, trata-se de problemas familiares das alunas afectadas.

Sustenta a tese afirmando que já entrou em contacto com seis encarregados de educação das alunas afectadas e confirmam tais problemas. Aliás, são sempre as mesmas que entram em delírio diariamente.

Para além disso, Levi nega que os alunos tenham ficado duas semanas sem aulas. Diz que foi apenas um dia no qual duas turmas não assistiram às aulas por causa desta situação.

`A situação da agitação já passou. Tentámos falar com as estruturas do bairro e em seguida encaminhámos o assunto à direcção provincial de educação, para ver se nos ajudam a resolver o assunto´.

`As aulas só estiveram paralisadas na última quinta-feira, mas foi só para duas turmas. Hoje, conforme podem notar, está a estudar­se normalmente. Ninguém pode confirmar que ficámos duas semanas sem aulas´, explicou o responsável da escola, para quem os desmaios são problemas familiares dos alunos.