Depois da quadra festiva (2 de Janeiro corrente), os preços de produtos básicos continuam estáveis na maioria dos mercados monitorados pelo Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA).
Produtos básicos mantêm estabilidade

O preço do milho continua a caracterizar-se por estabilidade em quase todos os mercados do país. Entretanto, foram verificadas duas quedas, uma ligeira de seis porcento na cidade de Maputo, onde os consumidores estão a pagar 12,70 meticais pelo quilograma e outra de 17 porcento observada na cidade de Montepuez passando o milho custar 11,43 meticais o quilo.

Fazendo uma análise de preços por zonas observou-se que na zona Sul, o preço situa-se entre 9,94 meticais o quilo e 16,57 meticais o quilograma, estando o preço mais baixo em vigor na cidade de Chókwè e o mais alto na vila de Boane. Na zona Centro, o preço mais baixo de 10,00 meticais o quilograma, está a ser praticado na vila de Milange e o mais alto de 13,71 meticais o quilo foi observado no mercado da vila de Nhamatanda, no entanto habitualmente este mercado é que fornece milho alguns mercados da zona centro e sul. Na zona Norte, o milho está mais barato na cidade de Lichinga, onde custa 9,14 meticais o quilograma e está mais caro na cidade de Pemba, estando a custar nesta semana 13,71 meticais o quilograma.

No que concerne aos feijões, na maioria dos mercados o preço também continua estável, apenas realçar uma subida de 10 porcento observada no mercado da cidade de Inhambane, onde passou a custar 55,00 meticais o quilo e outra de 8 porcento reportada do mercado da cidade da Maxixe onde passou o consumidor a pagar 48,00 meticais o quilo.

A presente semana (2 de Janeiro) foi caracterizada por uma fraca afluência de vendedores e compradores nos diferentes mercados visitados pelo Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA). Assim como continuou havendo fraca disponibilidade de produtos como o milho, feijões e amendoim nos mercados grossista pois a movimentação de comerciantes durante a quadra festiva foi fraca.

Nos mercados grossistas de Xiquelene e Bazuca, ambos na cidade de Maputo, não houve entrada de produtos pela segunda semana consecutiva, ou seja, desde o dia 17 de Dezembro último até 2 de Janeiro corrente. Desta forma, a quantidade disponível para a venda baixou consideravelmente entre os dias 26 de Dezembro e 2 de Janeiro.

Em Inhambane, o mercado da vila de Massinga não registou entrada de produtos na última semana, enquanto no mercado da Maxixe deu entrada de apenas amendoim pequeno adquirido na cidade de Nampula ao preço de 40,00 meticais o quilograma.

Nas zonas centro e norte, os mercados das cidades da Beira, Tete e Pemba foram os que registaram entrada de diferentes produtos entre os dias 26 de Dezembro último e 2 de Janeiro corrente.

No mercado da cidade da Beira deu entrada de milho proveniente Tete adquirido ao preço de 350,00 Mts o saco de 50 quilos, feijão manteiga de Gurué comprado ao preço de 27,00 meticais o quilo, amendoim pequeno comprado na cidade de Nampula ao preço de 42,50 meticais o quilo e amendoim grande produzido em Murrupula onde foi adquirido ao preço de 27,50 meticais o quilo.

O mercado da cidade de Tete foi abastecido com milho, amendoim grande e feijão nhemba adquiridos no distrito de Angónia onde os preços de compra foram de 140,00 meticais a lata de 20 litros para o milho, 1980,00 meticais o saco de 50 quilos para o amendoim grande e 18,00 meticais o quilo para o feijão nhemba. O mercado ainda recebeu feijão manteiga adquirido no distrito de Milange ao preço de 600,00 meticais a lata de 20 litros e amendoim pequeno de Changara comprado ao preço de 800,00 meticais a lata de 20 litros.

O mercado da cidade de Pemba recebeu nesse período em análise milho produzido no distrito de Meluco onde custou 5,00 meticais o quilo, amendoim grande do distrito de Namapa ao preço de 30,00 meticais o quilo, feijão nhemba do distrito de Muidumbe ao preço de 18,00 meticais o quilo e mandioca seca do distrito de Mecufi adquirida ao preço de 2,00 meticais o quilo.