A actual campanha agrícola no distrito de Chókwè, província de Gaza, sul do país, foi excelente. aliás, a realidade no terreno prova isso, com os campos verdes  e cheios de produção. Os agricultores produziram diversas culturas em extensas áreas, tais como repolho, pimenta, batata reno. mas, nesta época do ano, o enfoque vai para o tomate.

os agricultores clamam por um mercado rentável para a colocação da sua produção, pois o preço praticado no mercado grossista do Zimpeto, o principal da zona sul, não compensa a actividade.

“O que nos mata é o preço no mercado. Para dizer a verdade, o mercado está inundando pela produção sul-africana”, disse um dos produtores.

Um agricultor, tal como explica, vê-se obrigado a vender uma caixa de tomate, por exemplo, por um preço que varia de 30 a 80 meticais, devido à concorrência sul-africana, quando o preço ideal deveria variar de 180 a 200 meticais, como forma de rentabilizar a actividade e sustentar os custos de produção.

Por causa dessa alegada concorrência desleal, de acordo com Atanásio Taelane, um dos agricultores daquele ponto do país, diversos produtos são perdidos.