O resultado da medida provocou uma descida, de quase metade, do efectivo de admissão anual em 2011, fixando-se em 245 formandos, contra os 400 necessários.

O Instituto de Formação de Professores de Chibata, no distrito de Gondola, em Manica, celebrou cinco anos da sua fundação, no passado sábado, estando, neste momento, com efectivo estudantil cada vez mais reduzido, comparativamente aos primeiros três anos do seu funcionamento. Trata-se de uma instituição de formação de professores primários, cuja infra-estrutura contou com a cooperação do governo do Japão, na sua construção, concebida para albergar 400 formandos em regime de internato.

A direcção do Instituto decidiu, no princípio, que o número de rapazes assim como de raparigas tivesse que observar um critério de equidade – 200 deveriam ser do sexo masculino e outros 200 do sexo feminino.

O critério só funcionou para os primeiros três anos, tendo sido alterado com a introdução de novos requisitos segundo os quais o candidato a frequentar aquele Instituto deve ter uma média final mínima de 12 valores, no seu certificado da 10ª classe.

O resultado da medida provocou uma descida, de quase metade, do efectivo de admissão anual em 2011, fixando-se em 245 formandos, contra os 400 necessários.