Destaque Quissanga: Ataques terroristas interrompem recenseamento eleitoral

Quissanga: Ataques terroristas interrompem recenseamento eleitoral

Receba vagas no seu WhatsApp

Siga o nosso canal do WhatsApp para receber vagas no status do WhatsApp.

Clique aqui para seguir

O distrito de Quissanga, localizado na província de Cabo Delgado, Moçambique, não conseguiu recensear nem metade dos eleitores previstos devido aos ataques terroristas que ocorreram na região.

Esta situação afectou profundamente o processo eleitoral, que já enfrentava desafios desde o seu início.

Durante este processo eleitoral, o distrito de Quissanga foi duplamente afectado: primeiro, o recenseamento na região só começou no dia 2 de Maio, após o término do processo no restante do país; segundo, mesmo após 13 dias de recenseamento, os ataques terroristas interromperam o progresso.

Paulo Cuinica, porta-voz da Comissão Nacional de Eleições, explicou que o objectivo era recensear 28.930 eleitores, mas apenas 14.288 foram inscritos, o que corresponde a 49,39% do total esperado.

“Devido aos ataques, tanto os eleitores quanto os brigadistas estavam receosos e com medo. Isso levou-nos, nos últimos dois dias, a retirar quatro brigadas das que estavam operacionais e, no último dia, trabalhámos apenas com cinco brigadas, porque a situação já não permitia a permanência dos brigadistas nos locais,” relatou Cuinica.

Apesar dos contratempos em Quissanga, Cabo Delgado conseguiu recensear 103,12% da meta prevista. Estes dados indicam que uma parte dos eleitores que deveriam recensear em Quissanga o fizeram em outros locais da província considerados mais seguros.

Além de Cabo Delgado, outras províncias como Maputo, Gaza, Inhambane, Manica, Zambézia e Nampula também recensearam mais de 100% dos eleitores previstos.

Sobre o processo de submissão de candidaturas, que já está na sua terceira semana, Paulo Cuinica afirmou que o progresso tem sido lento. Dos 43 proponentes inscritos, apenas três submeteram as suas candidaturas até agora.

“O Partido Ecológico de Moçambique apresentou candidaturas para os 13 círculos eleitorais, 11 no território nacional e dois na diáspora. O MONARUMO submeteu candidaturas para 11 círculos eleitorais do país e o partido PAREDE apresentou candidaturas apenas para a Cidade de Maputo,” explicou o porta-voz.

As candidaturas apresentadas são apenas para a Assembleia da República. O prazo para submissão termina no dia 10 de Junho.

Ganhe 1000MT hoje no Aviator. Comece com 10MT.