O ministro da Saúde de Moçambique disse que o país terá direito a seis milhões de doses de vacina contra a covid-19, no âmbito das regras definidas na iniciativa global COVAX para acesso equitativo à inoculação.

Armindo Tiago falava na Assembleia da República (AR), em resposta a críticas do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro maior partido, de que as propostas do Plano Económico e Social (PES) e do Orçamento do Estado (OE) de 2021 não fazem referência a qualquer plano de vacinação contra a covid-19.

“Para os cálculos que nós fizemos, Moçambique receberia neste mecanismo cerca de seis milhões de doses de vacina”, correspondente a 20% da população”, estimada em 30 milhões, declarou Armindo Tiago.

O governante avançou que a quantidade a receber por Moçambique – em caso de aprovação final de uma vacina pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – decorre da percentagem imposta no âmbito do referido mecanismo para cada um dos países membros da iniciativa.

Armindo Tiago adiantou que o executivo moçambicano submeteu no dia 27 de novembro as necessidades do país em termos de vacinas ao abrigo da COVAX.

“Atualmente, o Ministério da Saúde está a definir os requisitos e condições para a definição dos grupos a serem vacinados e ainda o processo da estratégia de vacinação”, acrescentou.

O Governo, continuou, já elaborou um plano de aquisição, administração e monitorização de uma possível vacina eficaz contra a covid-19, sendo que vai ser usada a estrutura montada no Programa Nacional de Vacinação (PNV) para a administração.

“Uma vez disponível uma vacina segura, eficaz e qualificada pela OMS, Moçambique tem condições para fazer a vacinação, de acordo com o PNV”, enfatizou Tiago.

O dirigente apelou para que não se criem “falsas ilusões” quanto a uma solução rápida contra a covid-19, assinalando que em novembro foram anunciados resultados preliminares de quatro das 11 vacinas candidatas à cura de covid-19.

“Não era previsível, para nós, que em pouco espaço de tempo fosse possível o desenvolvimento de vacinas”, destacou Armindo Tiago.

O mecanismo COVAX conta, entre outros parceiros, com a Aliança Global de Vacinas (GAVI), liderada pelo ex-primeiro-ministro português José Manuel Durão Barroso.

Moçambique contabiliza 132 mortes por covid-19 e 15.866 casos, 88% dos quais recuperados.