Um terço das crianças do mundo estão intoxicadas com chumbo, o que pode causar danos irreparáveis ao cérebro, de acordo com um relatório divulgado nesta quarta-feira 29, pela Unicef pela organização não-governamental (ONG) Terra Pura.

Segundo o estudo, uma em cada três crianças, 800 milhões, no total, tem níveis de chumbo no sangue iguais ou superiores a cinco microgramas por decilitro, o nível em que é considerado necessário intervir.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mesmo os níveis mais baixos de chumbo podem estar ligados a menor inteligência, dificuldades comportamentais e problemas de aprendizagem em menores.

Embora o problema ocorra em todo o mundo, hoje as áreas mais afetadas correspondem a países com poucos recursos. Quase metade dessas 800 milhões de crianças intoxicadas vive na região do sul da Ásia.

O estudo, o primeiro a ser realizado a esta escala, de acordo com seus autores, concluiu inequivocamente que as crianças em todo o mundo estão a ser “envenenadas em uma escala maciça e anteriormente não reconhecida”.

“O chumbo, que apenas gera sintomas no início, causa danos silenciosos à saúde e ao desenvolvimento das crianças, com consequências potencialmente fatais”, disse a diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Henrietta Fore.

De acordo com Fore, “conhecer a extensão da contaminação por chumbo e entender a destruição que causa na vida de indivíduos e comunidades deve inspirar medidas urgentes para proteger as crianças de uma vez por todas”.

O chumbo, um metal pesado amplamente utilizado desde os tempos antigos para uma ampla variedade de aplicações, gera uma poderosa neurotoxina que é especialmente prejudicial para crianças e, acima de tudo, para crianças menores de cinco anos.

Nessas idades, quando o cérebro não está totalmente desenvolvido, a substância pode causar deterioração neurológica, cognitiva e física para toda a vida.

Numerosos estudos relacionaram a exposição do chumbo na infância a problemas de saúde mental e comportamental e a um aumento no crime e na violência.

Para crianças mais velhas e adultos, considera-se que a exposição prolongada ao chumbo aumenta o risco de problemas de saúde, incluindo complicações cardiovasculares e renais.

No estudo defende-se que a reciclagem clandestina e deficiente de baterias de chumbo comuns nos automóveis é um dos principais fatores que contribui para o envenenamento de crianças que vivem em países de baixo e médio rendimento, onde o número de veículos triplicou no últimos vinte anos.

Esse aumento, juntamente com a falta de regulamentação e infraestrutura para reciclagem, significa que até 50% das baterias de chumbo são recicladas de maneira perigosa na economia paralela, denunciou a Unicef.

Isso coloca em risco os trabalhadores, mas também as pessoas que vivem em áreas próximas, expostas a vapores tóxicos.

Outras fontes de intoxicação incluem chumbo na água pelo uso de canos feitos a partir dele; chumbo de atividades como mineração, pintura e pigmentos à base de chumbo ou gasolina com chumbo, que diminuiu significativamente nas últimas décadas; bem como pode ser encontrado em latas de alimentos e em especiarias, cosméticos, brinquedos e outros produtos de consumo.

Nos países mais ricos, os níveis de chumbo no sangue foram reduzidos muito significativamente, desde a eliminação gradual do da gasolina com chumbo e nas tintas feitas à base desse elemento, mas o problema subsiste ainda em outras áreas do mundo.

Unicef e a Pure Earth, uma organização com sede em Nova Iorque, nos Estados Unidos, pedem aos governos que tomem medidas para acabar com a exposição das crianças e a avançarem com legislação, melhor prevenção e controlo, mais sistemas de monitorização, reforço em áreas como o tratamento de crianças e menores afetados, assim como desenvolver campanhas de sensibilização pública.

“A boa notícia é que o chumbo pode ser reciclado com segurança sem expor os trabalhadores, os seus filhos e os bairros vizinhos. Locais contaminados com chumbo podem ser reparados e restaurados”, explicou o presidente da Pure Earth, Richard Fuller, em comunicado.

“É possível educar as pessoas sobre os perigos do chumbo e capacitálas para se protegerem a si mesmas e aos seus filhos. O retorno do investimento é enorme: melhor saúde, maior produtividade, QI [Quociente de Inteligência] mais alto, menos violência e um futuro”, sublinhou.