O Ministério da Saúde quer que os moçambicanos com HIV respeitem o tratamento antirretroviral para que cheguem a um nível em que o vírus não seja detectado e até mesmo não ser transmitido em relações sexuais desprotegidas. Para o efeito, o MISAU lançou nesta sexta-feira 10, a campanha “Indetectável, igual Intransmissível”.

Uma pessoa com HIV positivo pode chegar a um nível em que o vírus não é detectável em testes. Pode até manter relações sexuais sem protecção e não transmitir a doença ao seu parceiro. Mas isso só acontece quando se respeita o tratamento antirretroviral.

Por isso o Ministério da Saúde quer que as pessoas que têm HIV no país tomem de forma regular os antirretrovirais para que os níveis indetectáveis e intransmissíveis aconteçam. Para o efeito, uma campanha já foi desenhada e esta sexta-feira foi dia do seu lançamento.

Com todos estes avanços, Armindo Tiago, Ministro da Saúde, diz ser injustificável que o HIV continue a dizimar vidas.

Em Moçambique, há 2.3 milhões de pessoas vivendo com HIV. Do número, apenas 53%, ou seja, metade das pessoas, é que estão em tratamento antirretroviral.