As instituições de ensino superior privadas no país necessitam de uma injecção do Governo em 50 milhões de meticais. A informação foi avançada pela CTA, que disse que a constatação resulta de uma sondagem feita, no quadro dos impactos do coronavírus.

O coronavírus está a impactar em diversos sectores no país e o ensino superior privado não está alheio. Uma sondagem feita pela Associação das Instituições Privadas do Ensino Superior, filiada à Confederação das Associações Económicas (CTA), revelou que a pandemia reduziu níveis de receitas que resultam do pagamento das propinas para menos de 50%.

De acordo com a sondagem, 25% dos devedores não pagam as dívidas por questões de vulnerabilidade. E, com tudo isso, as instituições de ensino superior privadas necessitam de apoio.

“A soma total das receitas em risco devido aos estudantes vulneráveis subscreve-se em cerca de 50 milhões de meticais, distribuídos de maneira desigual no país, pelas instituições de ensino superior de ensino privadas”, disse Agostinho Vuma, que falou da sondagem.

Para Vuma, a injecção do valor por parte do Governo seria ideal para assegurar o bom funcionamento das instituições.

“As instituições necessitam dessa soma, actualmente, e isso ajudaria elas a se manterem, assim como as famílias dos estudantes”, sustentou o Presidente da agremiação que congrega o sector privado.

Em meios aos impactos negativos do coronavírus nas instituições de ensino superior privadas, o ministério que tutela a área fala também de diversos pontos positivos.

“Como ministério, conseguimos mapear em geral todas as plataformas electrónicas existentes em todas as instituições do país”, declarou o ministro do Ensino Superior, Técnico e Profissional, como um ganho alcançado com a COVID-19.

Estes pontos foram avançados num webinar sobre o impacto da COVID-19 no Ensino Superior em Moçambique e Perspectivas da retoma, evento que decorreu ontem, tendo juntado no mesmo espaço virtual, diversos actores do sector público e privado.