O Ministério da Saúde diz ter tomado conhecimento da preocupação da sociedade devido a existência de alguns cidadãos que se apresentam mascarados na via pública e, noutros casos, vivem em regime de confinamento.

Através de uma nota de esclarecimento enviada ao “O País”, o MISAU diz que o Sistema de Vigilância Sanitária em Moçambique está em alerta máximo e todos os cidadãos que vem a Moçambique provenientes de países afectados são rigorosamente avaliados pelas autoridades sanitárias nos principais pontos de entrada, e até ao momento nenhum caso de Coronavírus foi diagnosticado no país.

O MISAU diz ainda que a nível internacional tem sido prática a auto-quarentena domiciliar durante 14 dias e o uso de máscaras. Na China, por exemplo, o uso de máscaras é uma prática cultural  mesmo na ausência de epidemias. Daí que os cidadãos chineses no país só estão a cumprir as recomendações internacionais sobre a epidemia de coronavírus.

Aos cidadãos que tenham estado recentemente nos países afectados  e que apresentem sintomas que indiciem o Coronavírus, O MISAU recomenda que se dirijam às Unidades  Sanitárias para que sejam avaliados pelas equipas médicas em serviço, e que cumpram com as seguintes orientações:

•    Usar máscara ou lenço para tapar a boca e o nariz;
Todos os membros da família e pessoas próximas devem seguir as medidas de higiene básicas, tais como:
•    Lavar sempre as mãos com água e sabão ou cinza;
•    Cozer bem a carne e ovos;
•    Lavar com água e sabão os pratos, copos, chávenas e colheres;
•    Abrir as janelas para permitir uma maior circulação do ar.

No documento, as autoridades de saúde referem que os cidadãos que nos 14 dias seguintes à chegada ao país tiver febre, tosse seca, secreção nasal, dor de cabeça, dor de garganta, náuseas, vómitos e outros, que se dirija à Unidade Sanitária mais próxima.