Espanha acordou com mais um trágico caso de violência de género, aumentando para 43 o número de mulheres mortas este ano. Partido do governo já reagiu.

Um homem espanhol foi na segunda-feira detido depois de matar a ex-companheira, a mãe e a irmã desta, na província de Pontevedra, num caso chocante de violência de género.

O agressor, de 45 anos de idade, terá entrado em casa da ex-companheira, em Valga, e matou as três mulheres com recurso a uma arma de fogo, tendo depois fugido do local, pode ler-se no El Mundo.

As vítimas foram identificadas como Sandra, de 39 anos, a sua mãe, María, de 57 anos, e a sua irmã, Alba, de 27. Estavam todas em casa de Sandra, assim como os dois filhos do casal, separado recentemente. As crianças têm quatro e sete anos de idade.

O triplo homicídio teve lugar às primeiras horas da madrugada de segunda-feira e o suspeito, José Luis Abet, entregou-se às autoridades poucas horas depois, já na província da Corunha, onde mora, também na comunidade autónoma da Galiza.

A investigação está a cargo da Guardia Civil. Sabe-se para já que não havia nenhuma denúncia de violência doméstica em relativa ao agressor.

Este crime volta a chamar a atenção para o problema da violência de género em Espanha – este ano já morreram 43 mulheres, número superior ao período homólogo, de acordo com o apurado pela Delegação do Governo para a Violência de Género.

O PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) já reagiu a este triplo homicídio através das redes sociais. O partido do presidente espanhol Pedro Sánchez condena o incidente de forma “absoluta”. “Mais uma vez somos atacados pelo horror da violência de género. Estamos destroçados com o triplo homicídio machista em Valga, Pontevedra”, escreveram.

Notícias ao Minuto