Os prejuízos da rebelião e vandalização verificados na madrugada e manha do dia 7 de Agosto findo rondam os três milhões e setecentos mil meticais, avançou semana finda o director do Estabelecimento Penitenciário Regional Norte, em Nampula, Álvaro Arnança, que deu a saber igualmente que dois agentes da Guarda Penitenciaria enfrentam processos disciplinares por se ter concluído que foram negligentes.

“Da avaliação que fizemos concluímos que dois dos nossos funcionários que estavam directamente envolvidos no caso um deles portava a granada e o outro é que dirigiu a tal revista tendo comedido um erro que neste momento estamos a corrigir. Um é 1º cabo da Guarda Penitenciaria e o outro é guarda da Guarda Penitenciaria que estão em processos disciplinares. Os internos (7) que vandalizaram tentemos localizar alguns e tomamos medidas”, esclareceu o director daquela que é a principal cadeia no Norte de Moçambique e alberga homens condenadas a penas de prisão maior, alguns são de Cabo Delgado, Niassa, Manica, Gaza e Maputo.

A rebelião de 7 de Agosto começou quando durante o processo de revista de rotina nas celas de reclusão um dos agentes deixou cair uma granada de gás lacrimogéneo que após explodir criou agitação nos pavilhões, os 1700 reclusos ficaram no pátio, começaram a incendiar o bloco administrativo, incluindo a área de controlo penal onde ficam os processos de cada interno, vandalizaram a cozinha e o posto de saúde.

Dada a dimensão da situação, houve necessidade de intervenção da Unidade de Intervenção Rápida e dos bombeiros. Durante a tentativa de controlo da situação, três reclusos foram alvejados mortalmente, sete contraíram ferimentos, dos quais um continua a receber tratamentos em regime ambulatório na prisão.

No mesmo local, na sexta-feira, realizou-se a cerimónia de patenteamento de 889 superintendentes-chefes, adjuntos e guardas da Guarda Penitenciária das províncias da Zambézia, Nampula, Niassa e Cado Delgado que foram promovidos no âmbito de um programa nacional que deverá abranger mais de três mil profissionais daquele ramo dentro deste ano.

A cerimónia contou com a presenta do director geral do Serviço Nacional Penitenciário Jeremias Cumbe que no seu discurso de ocasião disse que “prestem maior atenção aos aspectos de segurança dos nossos estabelecimentos penitenciários, aos aspectos de reabilitação e reinserção social dos reclusos e do aumento da produção agropecuária nos nossos estabelecimentos”.

O País