O Conselho de Ministros aprovou o arranque de dois projectos nas áreas de energia eléctrica e processamento de gás natural na província de Maputo.

Trata-se da construção, em Beluluane, distrito de Boane, de uma central termoeléctrica com capacidade de gerar 2 mil megawatts (MW) de energia eléctrica e da instalação, no Porto da Matola, de infra-estruturas para manuseamento armazenamento, regaseificação e exportação de gás natural liquefeito.

Os dois projectos, a serem materializados dentro de cinco anos, estão avaliados em 2.8 mil milhões de dólares norte-americanos e vão gerar 1700 postos de emprego durante as obras e 1050 permanentes na fase de exploração, de acordo com a porta-voz da 24.ª sessão do Conselho de Ministros, realizada na cidade de Maputo.

Ana Comoana acrescentou que os dois projectos incluem a construção de um gasoduto ligando o Porto da Matola e a Central Termoeléctrica de Beluluane, que vai gerar energia a partir do gás natural,em volumes que se aproximam à produção da Hidroeléctrica de Cahora Bassa.

Os decretos atribuem à empresa Beluluane Gas Company, SA uma concessão de 30 anos para o financiamento, construção e exploração dos empreendimentos, concretamente venda e exportação de energia eléctrica e/ou gás natural.

A porta-voz disse tratar-se de um Investimento Directo Estrangeiro, sem precisar a origem. Contudo, informações avançadas recentemente pela Agência para a Promoção de Investimentos e Exportações (APIEX) indicam serem investidores nacionais e estrangeiros que pretendem produzir energia eléctrica para, numa primeira fase, abastecer a África do Sul e outros mercados da Austral de África.

Na primeira fase, a central poderá consumir gás importado, mas quando os projectos da Bacia do Rovuma estiverem aptos funcionará com base no recurso nacional.

Folha de Maputo