O director-geral das Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) reconhece ser difícil fazer o saneamento das dívidas da empresa, avaliadas em cerca de 230 milhões de dólares americanos.

No entanto, João Carlos Pó Jorge diz estar optimista e revelou à VOA que a empresa conseguiu um contrato com uma das grandes companhias petrolíferas a operar no norte do país, que vai ser como um “balão de oxigénio” para a LAM já a partir de Maio, quando a companhia começar a transportar trabalhadores da multinacional para diversos destinos.

A dívida, em alguns casos, como por exemplo à gasolineira BP, impede a companhia de bandeira nacional de realizar operações com normalidade.

Pó Jorge, no entanto, afirma que a dívida à banca é que mais preocupa à empresa.

Embora a LAM esteja a pagar essa dívida, ela impede a companhia de fazer grandes investimentos, como, por exemplo, “adquirir novos aviões”

O director-geral espera que a situação comece a mudar a partir de Maio, quando a LAM começar a transportar trabalhadores de uma multinacional com a qual a companhia chegou a acordo e que pode ascender a 27 mil passageiros.

João Carlos Pó Jorge diz que não vai ser necessário contratar mais pessoal, mas si trazer mais aviões, o que será feito via leasing.

O director-geral da LAM acredita que, a partir de 2023, a empresa terá uma “situação financeira mais saudável e robusta”.

João Carlos Pó Jorge tem o sonho de fazer com que a companhia retome rotas que já fazia, no passado, para a Europ, como Itália, Espanha e Portugal, consideradas muito atractivos.

VOA