Uma fonte da Procuradoria Geral da República (PGR) de Moçambique confirma à VOA a detenção do cidadão Teófilo Nhangumele e o arrasto dos seus bens em conexão com as chamada dívidas ocultas.

A mesma fonte indicou que operação foi dirigida pela PGR e decorreu de forma muito sigilosa “para evitar alaridos e fuga de informação”.

Nhangumele é apontado como sendo um dos estrategas da engenharia das dívidas e terá sido ele a fazer a ponte entre a frente libanesa, liderada pelo libanês Jean Boustani, detido actualmente em Nova Iorque, e a moçambicana, em particular o antigo ministro das Finanças Manuel Chang, preso na África do Sul.

A fonte, que não quis ser identificada, não revelou em que cadeia Nhangumele está detido, avançando apenas que nos próximos dias haverá mais detenções.

Teófilo Nhangumele está referido na acusação da justiça americana que pediu a sua detenção juntamente com Chang e António Carlos Rosário, que trabalhava nos serviços secretos, que ainda encontra-se a monte.

A VOA não conseguiu confirmar informações avançadas por fontes do processo de que mais quatro pessoas terão sido detidas.

Recorde-se que Manuel Chang, o antigo ministro das Finanças e primeiro detido, a pedido da justiça americana, por suposto envolvimento num esquema de fraude e lavagem de dinheiro usando bancos dos Estados Unidos, vai amanhã, 15, ao Tribunal de Kempton Park, em Joanesburgo, onde a juíza vai decidir se será ou extraditado para Nova Iorque.

VOA