O Governo moçambicano, através das autoridades na administração pesqueira anunciou na passada sexta-feira, que as vendas de camarão estão proibidas por dois meses no país. A ideia é permitir uma produção sustentável deste marisco.

A proibição conta a partir do corrente mês de Janeiro, segundo deu a conhecer a Direcção Provincial do Mar, Águas Interiores e Pescas.

“Não haverá pesca, venda e transporte de camarão durante o período”, disse Maurício Mausse, o director provincial do Mar, Águas Interiores e Pescas, acrescentando que a decisão foi tomada para melhorar o fornecimento no mercado.

Os mercados serão inspecionados e medidas punitivas serão impostas em caso de não conformidade com a medida.

Recorda-se, que há muito que a sustentabilidade da pesca de camarão, uma das principais fontes de rendimento de Moçambique, está ameaçada, alerta o Fundo Mundial para a Natureza (WWF, acrónimo em inglês).

A pesca de camarão é uma das actividades económicas mais importantes, devido ao elevado valor comercial. A indústria pesqueira moçambicana movimenta, anualmente, entre 70 a 100 milhões de euros.

O camarão é um dos principais produtos pesqueiros de exportação, sendo a União Europeia (UE) o maior mercado de pescado do mundo. 82% do camarão pescado em Moçambique é exportado para a UE, sobretudo Espanha e Portugal.

O País