A Polícia da República de Moçambique (PRM) lançou ontem, na cidade de Chimoio, capital da província de Manica, uma iniciativa que visa aproximar cada vez mais a corporação junto ao cidadão.

Designada por campanha de policiamento de proximidade, a iniciativa consiste em patrulhas de rotina e identificação dos cidadãos, reforço do diálogo com a população para a obtenção de mais informações importantes que poderão ajudar no combate ao crime.
“A ideia é que o polícia seja amigo do cidadão. Para além de patrulhas normais e exigir bilhete de identidade, o agente tem que conviver com a população. Isso vai ajudar, sobremaneira, no combate ao crime na nossa província”, explicou o comandante da PRM em Manica, Francisco Simões, que falava durante uma parada.

Referiu que a iniciativa também vai abrir espaço para que o cidadão denuncie actos ilícitos praticados pelos membros da corporação.

“Ao nos aproximarmos mais ao cidadão também abrimos espaço para que ele se sinta parte do processo e participe no combate ao crime. O cidadão pode denunciar qualquer ilicitude cometida pelo polícia ou por um singular. Além disso, será uma mais-valia, porque estaremos presentes em todas as comunidades e a conviver como povo, trabalhando”, afirmou Simões, citado pela AIM.

O comandante provincial da PRM aproveitou a ocasião para fazer um balanço dos primeiros três dias da campanha eleitoral rumo às eleições autárquicas de 10 Outubro próximo, afirmando que o processo está a decorrer num clima de paz e harmonia entre os três partidos, nomeadamente, Frelimo, Renamo e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM).

Lamentou o acidente ocorrido no primeiro dia da campanha que tirou a vida a duas pessoas e feriu outras nove, das quais cinco em estado grave.

“No primeiro dia registamos um acidente que fez vítimas mortais e feridos. O automobilista pôs-se em fuga depois do acidente, mas estamos a trabalhar para a sua neutralização. Já há pistas porque na viatura apreendemos uma carta de condução e outros documentos. Brevemente será capturado e responsabilizado”, asseverou.

Jornal Notícias