Um pastor evangélico, de 53 anos, da cidade brasileira de Várzea Grande, na área metropolitana de Cuiabá, capital do estado de Mato Grosso, foi preso sob a acusação de violar sexualmente várias crianças e adolescentes do sexo masculino cujas famílias frequentavam o seu culto.

Ao menos sete vítimas já foram identificadas e confirmaram os crimes sexuais, e outras devem ser identificadas em breve.

Segundo o inspector Cláudio Álvares Santana, da Divisão de Crimes Contra Idosos, Crianças e Adolescentes, o pastor usava a sua influência junto às famílias dos meninos e dos adolescentes para os atrair ao templo, que fica nas traseiras da casa onde vive.

Ainda de acordo com a investigação, que durou sete meses, as vítimas da violência sexual de que o religioso é acusado, todas do sexo masculino, têm entre 6 e 14 anos.

À polícia, apesar do medo de apontarem o pastor e da vergonha de reconhecerem terem sido violados, os meninos e adolescentes fizeram relatos muito semelhantes e revelaram que às vezes os actos sexuais eram praticados na presença de outras crianças.

O pastor, sempre de acordo com os autos, convencia as famílias dos menores a deixá-los ir a casa dele para supostamente lerem textos bíblicos, cometia os crimes e depois dava dinheiro às vítimas.

Foi exactamente esse detalhe que chamou a atenção de algumas famílias dos meninos violados, pois estes começaram a aparecer com dinheiro e diziam que era o pastor que o dava.

Aos agentes, o religioso negou todas as acusações, mas confirmou que dava dinheiro aos menores, alegando que o fazia porque queria melhorar a vida deles.

CM