Enchentes estão a caracterizar o último dia de recenseamento eleitoral na cidade da Beira, em Sofala. Os eleitores alegam que falta de sistemas e supostas avarias dos equipamentos usados pelos recenseadores é que condicionaram as suas inscrições para este último dia.

A justificação dos eleitores foi desmentida pelos fiscais dos partidos politicos que estão a zelar pelo processo de recensamento eleitoral desde o primeiro dia. Estes dizem que problemas relacionados com o processo verificaram-se apenas no início, mas foram prontamente resolvidos.

Outros eleitores alegam falta de tempo e até motivos de viagem na origem do recenseamento tardio.

Até ao princípio desta quinta-feira, tinham sido inscrito cerca de 600 mil eleitores, contra os 663 mil eleitores previstos por increver, nos cinco distritos municipais da província de Sofala, o que leva o STAE a crer que a meta poderá não ser atingida, muito provavelmente por negligência dos eleitores que não foram aos postos de recensemento a tempo.

O cenário de enchentes verifica-se um pouco por quase todos os postos de recenseamento espalhados pelo país.

O País