Um grupo de funcionários das alfândegas em Sofala, foi indiciado pelo Gabinete Central de Combate a Corrupção da Procuradoria-Geral da República, acusado de desvio de mais de vinte milhões de meticais.

A notícia foi avançada ontem, em conferência de imprensa pelo Gabinete Central de Combate a Corrupção da Procuradoria-Geral da República no âmbito do balanço das actividades dos últimos três meses, onde especial atenção foi dada aos vários processos contra funcionários das alfândegas em Sofala indiciados de desvio de mais de vinte milhões de Meticais.

De acordo com Eduardo Semana, porta-voz do Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC), os trabalhadores em causa e em conexão com alguns trabalhadores do tribunal aduaneiro, montaram um sistema  que lhes permitia forjar documentos para o desembarque de viaturas. “Em calunio com funcionário do tribunal aduaneiro, da mesma província, forjaram documentos inviabilizando o desembaraço de viaturas que se encontravam sob responsabilidade das alfandegas“, explicou o porta voz.

Com isso, os alfandegários emitiam despachos para a importação de viaturas e as taxas não eram cobradas devido aos seus interesses particulares, causando um prejuízo de vinte milhões, cento e vinte e três mil, trezentos e nove meticais e 15 centavos aos cofres do estado.

TVM