Uma colombiana de 22 anos acreditou no método de contracepção que a mãe lhe ensinara: colocar uma batata na vagina, que impediria que a fertilização ocorresse.

E se a verdade é que a jovem não engravidou (a batata não justifica este facto), já os efeitos secundários poderiam ter sido bem mais graves.

A colombiana acabou por ser transportada ao hospital, por sentir fortes dores abdominais. Após exames médicos, o tubérculo foi detectado bem como as raízes germinadas no útero.

Uma intervenção simples permitiu remover a batata e as raízes, mas os médicos não garantem que a jovem fique livre de efeitos secundários.

Entretanto, em declarações à imprensa da Colômbia, contou que tinha colocado a batata como ‘tampão’. “A minha mãe garantiu que eu deveria colocar uma batata, se não quisesse engravidar”, disse.