O governo moçambicano aprovou esta terça-feira em Maputo, um decreto que cria uma zona de estância de turismo integrado na costa marítima da província de Nampula, norte de Moçambique.

Trata-se da Zona de Estância de Turismo Integrado de Crusse e Jamali, localizada no posto Administrativo de Matibane, distrito de Mossuril. A mesma ocupa uma área total de 1.750 hectares.

O documento que cria esta zona foi aprovado durante a 27ª sessão do Conselho de Ministros, que hoje teve lugar em Maputo.

Falando no habitual briefing à imprensa no final da sessão, o porta-voz do Governo, Alberto Nkutumula, explicou que a criação desta zona tem em vista contribuir para a criação de pólos de desenvolvimento em áreas com potencialidades para o desenvolvimento de projectos integrados, particularmente no sector da indústria de hotelaria e turismo.

Neste contexto, segundo Nkutumula, o destaque vai para a construção e exploração de unidades hoteleiras de luxo e respectivas partes complementares ou conexas, bem como o desenvolvimento de turismo residencial e de novos produtos turísticos, tais como marinas, casinos e campos de golfe.

“A visão é transformar a zona de Nacala, Mossuril, Matibane, Crusse e Jamali como um dos mais atractivos em termos de turismo de luxo do mundo”, disse o porta-voz, que é igualmente Vice-Ministro da Justiça.

Crusse e Jamali são ilhas não habitadas, mas esta zona contempla, também, a parte continental, que actualmente conta com cerca de 3.600 habitantes.

“Em princípio será elaborado um plano de reassentamento dessa população”, explicou Nkutumula, para quem as comunidades serão envolvidas nos projectos a serem desenvolvidos.

Segundo ele, o operador da Zona será apurado mediante um concurso público internacional.

Na mesma sessão, o governo aprovou um outro decreto, desta feita relativo a extensão do prazo do Contrato de Concessão da linha Férrea do Norte por um período adicional de 15 anos contados a partir de 10 de Janeiro de 2020, data do termo inicial do Contrato de Concessão.

O executivo apreciou e aprovou também o balanço do Plano Económico e Social (PES) do primeiro semestre do ano em curso, a submeter à Assembleia da República (AR), o parlamento.

O balanço aponta que a produção global registou um crescimento de 6,5 por cento, dos 8,5 planificados para 2013, a inflação foi de três por cento, contra 7,5 prevista para todo o ano, tendo a arrecadação de receitas do Estado, segundo foi anunciado, semana passada, pela Autoridade Tributaria de Moçambique (AT), atingido 55.482,00 milhões de Meticais cerca de dois milhões de dólares norte-americanos.

Esta fasquia representa 48,7 por cento dos 113.962 milhões de Meticais planificados para 2013.

Os preparativos para a 33ª Cimeira de Chefes de Estado e do Governo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), a decorrer em Lilogwe (Malawi), de 17 a 18 de Agosto corrente, os preparativos do III Encontro Nacional da Juventude, que se realiza de 19 a 22 deste mês, na província de Nampula, e a informação sobre o concurso do Corredor Ferro-Portuário de Macuze, centro do país, são outros pontos que mereceram atenção do Conselho de Ministros.