Preço do cimento continuará instável até próximo ano
O Ministério da Indústria e Comércio vai procurar harmonizar a legislação para evitar casos de especulação de preços.

O preço de cimento continuará instável até ao próximo ano, altura em que o governo prevê que entre em funcionamento fábricas que vão disponibilizar quantidades suficientes ao mercado.

O país não dispõe, nesta altura, de medidas imediatas para estabilizar o preço de cimento no mercado nacional onde, nas últimas semanas, o saco de 50 quilogramas chegou a custar 420 meticais nas cidades de Nampula e Manica, 500 meticais em Pemba, e 700 meticais em lichinga, contra os anteriores 300 meticais.

O ministro da Indústria e Comércio, Armando Inroga, diz que a situação se deve, entre outros factores, a uma avaria numa das fábricas de produção do cimento no país.