Cerca de 40 praticantes da medicina tradicional do distrito de Guro, em Manica, juntaram-se semana finda numa capacitação de medicina convencional, para aprendizagem e melhor percepção de sintomas de doenças como tuberculose, HIV/Sida, malária, bem como para o conhecimento dos métodos de planeamento familiar.

Esta ideia teve razão de ser devido ao facto dos curandeiros serem os mais preferidos pelas comunidades rurais na prestação dos serviços que deveriam ser prestados pela saúde, daí que as autoridades daquele distrito, em parceria com a Save the Children, decidiram juntar os praticantes da medicina tradicional numa formação que visava fazer entender a importância dos doentes serem encaminhados às unidades sanitárias.

O médico-chefe distrital de Guro considerou a iniciativa de muito positiva, na medida em que os curandeiros aceitaram, na base da formação que tiveram, encaminhar os doentes às unidades sanitárias.

Para Ana Dulce Chiluvane, directora da Save the Children, outro objectivo da formação era o planeamento familiar.

Por seu lado, a presidente da Ametramo, no distrito de Guro, Cecília Tacicame, explicou que a formação foi produtiva porque antes os curandeiros não tinham esta liberdade de colaborar com a saúde.