A multinacional Sasol Petroleum International acaba de inaugurar um  projecto de expansão da central de processamento de gás natural de Pande e Temane, na província de Inhambane, que vai permitir o aumento da sua capacidade de produção e processamento, passando dos actuais 120 para 183 milhões de Gigajoules, por ano.

Dos 63 milhões de Gigajoules adicionais resultantes da expansão, 27 serão destinados ao mercado moçambicano; a mesma quantidade terá como destino a África do Sul, enquanto que os remanescentes 9 milhões representam  “royalties” alocados ao Governo (taxa que a Sasol irá pagar em gás ao “Executivo” pela exploração do recurso).

A expansão do empreendimento, cujos investimentos estão orçados em 220 milhões de dólares norte-americanos, irá permitir uma maior disponibilização de gás para o consumo local, incluindo para a construção e operação de uma rede de distribuição de gás natural na cidade de Maputo e no distrito de Marracuene e a viabilização da construção de centrais eléctricas em Chókwè e Ressano Garcia.

Falando ontem, na cerimónia de inauguração do projecto de expansão da central de processamento de gás de Pande e Temane, o Presidente da República, Armando Guebuza, disse que o mesmo tem ainda o condão de contribuir para a poupança de divisas para a importação de combustíveis líquidos e de gerar oportunidades de negócio para várias empresas locais, incluindo as de consultoria, de construção, de segurança e de transporte de carga.

“Estamos cientes que com o início desta fase o empreendimento de gás natural desempenhará um papel preponderante no desenvolvimento socioeconómico do nosso país, constituindo a espinha dorsal para a implantação de infra-estruturas de produção, transporte e distribuição de gás natural para o mercado nacional e de exportação, contribuindo assim para a industrialização do país”, disse.

Por seu turno, o director executivo da Sasol, David Constable, disse que o projecto emprega mais de 600 moçambicanos e é uma fonte significante de criação de trabalho na área e que, paralelamente, representa 64 milhões de dólares em mercadorias e materiais adquiridos de fornecedores moçambicanos.

“Desde 1999, a Sasol investiu mais de 12 biliões de randes no projecto de conversão de gás natural que fornece gás através da conduta dos campos de Temane, em Moçambique, para operações em Secunda e Sasolburg, na África do Sul”, disse David Constable.