Sociedade HCB já tem aparelho de ressonância magnética para diagnosticar doenças complexas

HCB já tem aparelho de ressonância magnética para diagnosticar doenças complexas

Receba atualizações de trabalhos do MMO Emprego

Siga o nosso canal do Whatsapp para receber atualizações diárias anúncios de vagas.

Clique aqui para seguir

A região Centro do país conta com um aparelho de ressonância magnética, o que irá contribuir para melhorar significativamente a assistência médica e medicamentosa no tratamento de doenças complexas, como tumores cerebrais.

Em medicina, existem os chamados meios auxiliares de diagnóstico, usados pelos profissionais de saúde para fazerem o diagnóstico e saberem de que padece o doente e dar o devido tratamento, tal como a ecografia, RX e TAC. No passado sábado, o HCB passou a contar com o topo destes meios auxiliares, ou seja, já possui um aparelho de ressonância magnética.

“O aparelho vai ajudar-nos a fazer o diagnóstico das doenças mais complexas, que os outros meios de diagnósticos que já possuímos não têm capacidade para o fazer. Por exemplo, os tumores cerebrais são muito difíceis de verificar e, nestes casos, os neurocirurgiões para operar um tumor de cérebro necessitam de muitos detalhes, como o tamanho e profundidade do mesmo e só um aparelho de ressonância magnética pode fornecer estes dados”, explicou Nelson Mucupo, director-geral do Hospital Central da Beira.

Uma vez que não havia aparelho de ressonância magnética fora da capital do país, os doentes do Centro e do Norte viajavam para Maputo, a fim de fazerem o diagnóstico, caso fosse necessário. Só em Sofala, em média, 20 doentes eram transferidos para o HCM.

“Maior parte dos doentes tinha patologias cerebrais, principalmente cancros que, a nível local, não tínhamos como saber o seu grau de disseminação para daí decidirmos se eles podiam ou não ser operados e a solução era mesmo transferir os mesmos para Maputo.”

O aparelho custou cerca de um milhão e quinhentos mil dólares, disponibilizados pelo Governo.

“O Ministério da Saúde tinha programado a aquisição deste aparelho de ressonância magnética para o próximo ano, mas, dado o aumento de doenças de natureza complexa e elevados custos de transferência dos doentes, a compra do mesmo foi acelerado.”

A montagem do aparelho vai demorar cerca de dois meses e contará com técnicos chineses, onde foi adquirido e os especialistas nacionais.

Um aparelho idêntico será adquirido, brevemente, para a província de Nampula, donde passará a servir toda a região Norte.