Destaque Número de vítimas mortais após tempestade em Madagáscar aumenta para 16

Número de vítimas mortais após tempestade em Madagáscar aumenta para 16

Receba atualizações de trabalhos do MMO Emprego

Siga o nosso canal do Whatsapp para receber atualizações diárias anúncios de vagas.

Clique aqui para seguir

Pelo menos 16 pessoas morreram na passagem da tempestade tropical Cheneso por Madagáscar, de acordo com as autoridades, o dobro do último balanço feito, com milhares de pessoas desalojadas devido à destruição causada pelas fortes chuvas.

Segundo informações recolhidas pelo jornal local ‘L’Express’, citado pela espanhola Europa Press, as vítimas foram confirmadas nas regiões de Analanjirofo, Atsimo, Atsinanana, Betsiboka, Sava, Sofia e Vatovavy, onde cerca de 14.500 casas foram destruídas pelas chuvas.

O Gabinete Nacional de Gestão de Riscos e Catástrofes de Madagáscar destacou ainda que as inundações causadas pelo Cheneso também causaram danos em escolas, deixando 5.300 alunos afetados bem como em outras instalações públicas.

Madagáscar e outros países da região têm sido afetados nos últimos anos por vários ciclones e tempestades que deixaram centenas de mortos e dezenas de milhares de desalojados, aprofundando a grave crise humanitária naquele país africano.

O governo malgaxe ordenou o encerramento temporário de escolas para evitar novos acidentes e as autoridades montaram acampamentos para acomodar as famílias que tiverem que deixar as suas casas.

“Até agora, 55 acampamentos foram abertos em todo o país. Podemos aumentar o número de acampamentos, de acordo com a necessidade de cada região”, acrescentou Andriankaja.

Em fevereiro de 2022, pelo menos 120 pessoas morreram no país por impacto do ciclone tropical Batsirai.

Organizações, como a Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC), pediram à União Africana (UA) e à União Europeia (UE) naquele mês um investimento urgente em ações locais para combater os efeitos da crise climática, em Madagáscar e outras partes da África.

Os países da África, observou a IFRC, são responsáveis por apenas 4% das emissões globais de carbono, mas são afetados desproporcionalmente pela crise climática e pela degradação ambiental.