Início Internacional Há protesto nacional contra o aumento no preço dos combustíveis no Equador

Há protesto nacional contra o aumento no preço dos combustíveis no Equador

Movimentos indígenas, sindicatos e organizações sociais do Equador juntam-se hoje num protesto nacional, com bloqueio de avenidas e estradas, contra o aumento no preço dos combustíveis e contra as reformas estruturais do Presidente Guillermo Lasso.

De um lado, a Frente Unitária de Trabalhadores (FUT), principal central de trabalhadores do país e organizadora do protesto, a combativa Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie), a União Nacional de Educadores (UNE) e a Federação de Estudantes Universitários do Equador (FEUE) temem que o Governo use “o estado de exceção” que rege no país há uma semana, com as Forças Armadas nas ruas, para reprimir o protesto.

Do outro lado, o Governo teme que as organizações sociais bloqueiem o país e que cumpram com a advertência de reeditarem, a partir de agora, os violentos protestos de outubro de 2019, também contra o aumento nos combustíveis, que terminaram com 1.500 feridos, seis mortos e um Governo desgastado.

O primeiro objetivo do protesto é suspender o aumento dos combustíveis, que provocou revolta nos setores sociais.

Na sexta-feira, o Presidente Guillermo Lasso anunciou um congelamento do preço dos combustíveis, mas incluiu um último aumento antes de congelar os valores.

A gasolina subiu para 2,55 dólares (aumento de cinco cêntimos) enquanto o diesel subiu para 1,90 dólares (aumento de 22 cêntimos). Foi o segundo aumento em outubro.

Os aumentos fazem parte de uma política, comprometida com o Fundo Monetário Internacional, de eliminar, paulatinamente, o volume de subsídios aos combustíveis como forma de diminuir o défice fiscal.

O protesto de hoje inclui greves e marchas em vários pontos do país. As manifestações vão acontecer ao longo do dia até as 16:00 de Quito (22:00 em Lisboa), quando haverá uma concentração que marchará do Centro histórico até o Palácio Carondelet, sede do Governo.

Em paralelo aos protestos, o Presidente Guillermo Lasso confirmou que vai enviar hoje para o Parlamento o projeto-lei de sustentabilidade fiscal e reforma tributária, a primeira das três reformas estruturais com as quais pretende reativar a economia.

O mesmo Parlamento que terá 30 dias para aprovar ou para rejeitar a reforma tributária terá também de concluir um relatório, até 06 de novembro, com a indicação ou não de destituição do Presidente Lasso por aparecer citado na investigação Pandora Papers relacionado com 14 offshores em paraísos fiscais.

Os movimentos sociais pressionam os legisladores pela destituição, enquanto o Governo ameaça aplicar a chamada “Morte Cruzada”, isto é, dissolver o Parlamento e submeter-se a novas eleições, algo incomum num regime presidencialista, mas incluído na reforma constitucional de 2008.

FONTENotícias ao Minuto
Artigo anteriorHomem força gato a nadar em banheira e acaba preso pela polícia
Próximo artigoINE revelou que desnutrição crónica afeta 38% das crianças em Moçambique