Arranca esta semana, na localidade de Nanjua, distrito de Ancuabe, Cabo Delgado, o  reassentamento de uma parte dos mais de 100 mil deslocados dos ataques armados dos insurgentes, actualmente acolhidos na cidade de Pemba.

A informação foi avançada domingo (15) pelo Secretário doEstado na província, Armindo Ngunga, em Nanjua, local onde já foram parcelados mais de mil talhões.

Segundo Ngunga, para além da conclusão do parcelamento dos talhões, foi igualmente iniciada a implantação fontes de abastecimento de água.

“Estamos a trabalhar com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Fundo de Investimento e Património de Abastecimento de Água (FIPAG) na abertura de furos e colocação de algumas cisternas, para que quando as pessoas estiverem cá, tenham alguns serviços básicos”, destacou.

Congratulou o Conselho Empresarial de Cabo Delgado(CEP)por ter manifestado a disponibilidade de apoiar na construção de um número não e especificados de casas, destinadas aos deslocados que seencontram no distrito de Metuge, mais concretamente em Ntocota.

“Estamos felizes por esta disponibilidade, vem responder ao apelo do governo, para o envolvimento de todos na gestão da questão dos deslocados”, afirmou o secretário do Estado.

No que tange aos espaços para prática de actividades agrícolas por parte dos deslocados, Ngunga explicou que não foi possível a identificação de uma área específica só para aquele grupo, devido a descontinuidade dos espaços para as machambas em bloco, como se pretendia.

“Por causa desta situação, teremos que demarcar e lavrar as áreas onde já existem machambas de alguns membros da comunidade de Nanjua, que a semelhança dos deslocados, vão também receberkits de insumos agrícolas, achamos que será uma forma de promover boa vizinhança”, afirmou.