O bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique (OAM) classificou como “barbárie” imagens de vídeo de uma mulher a ser executada por supostos membros das Forças Armadas, instando as autoridades a investigar o caso.

“É algo que é repugnante, aquela atitude é condenável a todo o texto, porque se trata de uma barbárie”, afirmou Duarte Casimiro, falando numa conferência de imprensa sobre o incidente.

Insistindo no carácter “repugnante” da acção, Duarte Casimiro instou as instituições estatais competentes a iniciarem uma investigação para a identificação e condenação dos autores.

“Quem de direito que tenha tomado conhecimento deste vídeo que se preocupe em criar condições para fazer uma investigação séria, independente e bastante profunda até em defesa daquilo que são os interesses das próprias Forças de Defesa e Segurança”, enfatizou.

O bastonário da OAM assinalou que já estão a tornar-se “repetitivas” imagens de vídeo de membros das Forças de Defesa e Segurança (FDS) a cometer abusos contra os direitos humanos, o que deixa uma “imagem negativa” sobre o país.

Duarte Casimiro enfatizou que as imagens não dão uma ideia sobre o local e o momento em que a mulher foi abatida à queima-roupa.

“Não temos aqui a pretensão de acusar quem quer que seja, mas estamos preocupados, porque isto cria uma imagem negativa para o nosso país”, destacou Casimiro.

O bastonário da OAM avançou que o organismo está disponível para prestar assistência jurídica aos familiares da vítima.