O Tribunal Judicial da Província de Cabo Delgado (TJPCD), voltou a adiar a instrução contraditória que havia marcado para ontem, depois da acusação provisória vinda do Ministério Público no Processo 27/2019 contra Amade Abubacar e Germano Adriano, dois jornalistas da Rádio Comunitária de Nacedje em Macomia.

A informação foi confirmada pelo Advogado dos arguidos, António Messariamba, que não avançou detalhes sobre este novo adiamento (o terceiro) num espaço de menos de um mês.

Entretanto, segundo apurou “O País” de fontes dignas de crédito, o último adiamento deveu-se a um suposto erro cometido pelo Escrivão, que no lugar de Junho, havia escrito mês de Julho na notificação.

Inicialmente o TJPCD havia marcado audição para 17 de Maio, mas viria a adiar alegadamente pela ausência dos declarantes (colegas do ICS) tendo remarcado para o dia 23 do mesmo mês, facto que prevaleceu até hoje.

Amade Abubacar e Germano Adriano, detidos em Janeiro e Fevereiro, são acusados de instigação a crime com uso de meios informáticos, e de terem ofendido a honra das Forças de Defesa e Segurança (FDS), instaladas na zona norte de Cabo Delgado, devido aos ataques armados supostamente protagonizados por um grupo de insurgentes, cuja origem e motivações continuam oficialmente desconhecidas.

Os dois jornalistas estão em liberdade provisória desde 23 de Abril último, após terem ficado detidos cerca de 100 dias. Inicialmente eram acusados de violação de segredos do Estado, mas por razões desconhecidas, o Ministério Público fez cair a acusação, buscando outro argumento legal de ofensa as FDS.

O País