Aeroporto de Pemba tornou na principal porta de saída ilegal de recursos minerais, especialmente pedras preciosas pilhadas em Namanhumbir, distrito de Montepuez, sul de Cabo Delgado, onde compradores estrangeiros chegam e saem do país ilegalmente através de subornos aos funcionários das autoridades do governo.

O esquema de corrupção foi denunciado pela Montepuez Ruby Mining,a mineradora que explora minerais em Namanhumbir, num comunicado de imprensa que critica severamente o governo, por não estar a tomar medidas para travar a desordem instalada no terreno.

“Determinados compradores estrangeiros conduzem suas operações de compra ilegal de rubis a olhos vistos em cidades como a de Montepuez, sem que as autoridades tomem as devidas medidas”, refere o comunicado, citando palavras de Raime Raimundo, Gestor de Assuntos Corporativos da MRM.

A maior parte dos compradores estrangeiros, usam o aeroporto de Pemba, onde funciona um sofisticado esquema de corrupção segundo denunciou Raime Raimundo.

“Muitas vezes entram e saem do país sem documentação requerida, pagando subornos a elementos das autoridades. Como país precisamos actuar contra esta actividade ilegal”, apelou a fonte

O comunicado foi emitido a 25 de Fevereiro corrente em solidariedade às famílias dos nove garimpeiros ilegais que perderam a vida na manhã do mesmo dia, na sequência do desabamento de uma mina artesanal ilegalmente aberta dentro da área concessionada a Montepuez Ruby Mining, supostamente a mando dos compradores estrangeiros ilegais.

Além de garimpeiros e compradores ilegais de pedras  preciosas pilhadas em Namanhumbir, segundo apurou a O PAIS, a cidade de Montepuez, é também procurada por traficantes de drogas, prostitutas e quadrilhas de assaltante à mão armada.

Um membro da Polícia da República de Moçambique e um cidadão de nacionalidade Bangladesh, foram mortos a tiro, em meados deste mês, supostamente por terem tentado impedir um assalto protagonizado por um grupo fortemente armado, que continua a monte.

O País