O Ministério Público move processo-crime contra três funcionários do sector da saúde afectos no distrito de Derre, província da Zambézia, por desvio de vários kits de medicamentos.

Dos funcionários afectos ao hospital distrital de Derre destacam-se dois homens e uma mulher que de acordo com o procurador chefe distrital Leonildo Cussaia os mesmos são confessos.

Cussaia refere que os funcionários em causa terão furtado cerca de 45 mil comprimidos nomeadamente paracetamol, amoxicilina e cotrimoxazol lesando deste modo o e~Estado em valores ainda não quantificados. Aliás, o magistrado do ministério público diz que por causa daquele comportamento, muitos moçambicanos no distrito de Derre maioritariamente carenciados estão prejudicados porque podem ficar sem medicamentos em caso de procura naquele hospital.

“Estamos a falar de um esquema bem montado e a pessoa responsável da farmácia queria negar seu envolvimento no caso, mas no fim acabou aceitando no crime de que é acusado. Na sequência todos os envolvidos vão ser responsabilizados até porque as evidências estão claras” disse Leonildo Cussaia procurador chefe distrital de Derre.

O caso de desvio de medicamentos na farmácia do hospital distrital de Derre tem como Processo número 238/2018.

O País