Frelimo repudia tentativa “maquiavélica” dos muçulmanos

O Partido Frelimo repudia a tentativa “maquiavélica” de misturar assuntos religiosos, crime e raça, tomada Sexta-feira última pela comunidade muçulmana residente em Moçambique.

“Repudiamos a tentativa maquiavélica de misturar a religião, crime e raça”, disse o Porta-voz da VII Sessão Ordinária do Comité Central da Frelimo, Edson Macuácua.

Falando hoje, em conferência de imprensa, no município da Matola, local que acolhe aquela magna reunião da Frelimo, Macuácua, que se solidarizou com as vítimas dos sequestros, apelou ao diálogo, concórdia e harmonia no seio da sociedade moçambicana.

De acordo com Macuácua, no lugar de se tomar este tipo de posicionamento devia se procurar formas de incrementar a colaboração para com as instituições de justiça por forma a se resolver qualquer que seja o problema.

Sexta-feira última, membros das comunidades muçulmana, hindu e ismaelita, ameaçaram encerrar os seus estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços a partir de segunda-feira, por três dias, a escala nacional, em protesto a onda de sequestros de cidadãos sobretudo de origem asiática.

Os membros destas comunidades apelaram a todos os moçambicanos para efectuarem as compras de produtos de primeira necessidade até Domingo.

A ameaça poderá estender-se a uma campanha de desobediência fiscal.

Caso não se registem melhorias na segurança, eles ameaçam ainda avançarem com votos contra o partido Frelimo e seu candidato as presidenciais de 2014.