Caso “Nosso Banco” discutido hoje parlamento

Caso “Nosso Banco” discutido hoje parlamento

COMPARTILHE

A Assembleia da República agendou para hoje (24), a discussão e esclarecimento dos contornos do Nosso Banco dissolvido recentemente pelo Banco de Moçambique, devido a  difícil situação financeira que esta se encontrava e a falta de cumprimento do plano de reestruturação delineado em 2014, que implicava uma capitalização de 8 milhões de dólares (cerca de 602 milhões de meticais), mas a instituição só conseguiu realizar 13%.

A discussão da matéria no parlamento acontece dias após a partido Renamo ter submetido o pedido Assembleia da República de modo a que instituições financeiras competentes na matéria expliquem aos representantes do povo os reais motivos que levaram a dissolução e liquidação do Nosso banco, detido maioritariamente pelo INSS, EDM e com uma minoria que se acreditar ser da elite do partido no poder.

A dissolução do  Nosso banco, coloca a Instituição reguladora do sistema financeira, em pé de Guerra com a CTA, pelo facto desta considerar injusta a  liquidação do banco acreditando que o Banco Central deveria ter tomado a mesma medida que tomou para com o Moza Banco.

Lembre-se que, na ultima sexta feira a administradora do banco de moçambique Joana Matsombe disse não haver razões para pânico com dissolução do Nosso Banco pois tratava-se apenas de “banquinho”, expressão  que não terá agradado o sector empresarial que  na voz do Rogério Manuel Presidente da CTA, “o facto de ser um banquinho não faz do nosso banco um banco licenciado pelo banco central”.

Aliás na mesma conferencia de imprensa,o administrador do Banco de Moçambique, Alberto Bila, considera que a revogação da licença do “Nosso Banco” era a única solução e sem alternativa. “Na situação em que se encontrava com rácios de solvabilidade muito abaixo de oito, porque oito é o mínimo legal, eles tinham rácios negativos com problemas de liquidez e também de injecção de capitais, não haveria outra solução”.

Magazine Independente

COMENTE PELO FACEBOOK

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA